APP ajuda a criar projetos sociais juvenis na periferia

Por Denise Mota

Por meio da plataforma Visionários da Cidade, jovens interessados em empreender ações com impacto social podem encontrar meios de concretizar seus projetos de forma sustentada. A iniciativa, em versão de site e aplicativo, foi criada pelo Laboratório Cidadão de Inovação Social – Translab, que funciona como um viabilizador de ideias e realiza workshops e encontros regulares.

Dois objetivos centrais guiam a ferramenta, que deverá estar em pleno funcionamento no final de agosto: estimular um modelo de carreira vinculado ao empreendedorismo e criar uma rede para o desenvolvimento de iniciativas em prol de comunidades. Preta, preto, pretinhos conversou com uma das idealizadoras, Liliane Basso, e com Bruno Soares, jovem empreendedor que está colocando a plataforma na prática, com a usina audiovisual Expoente Zero, na periferia de Porto Alegre:

Bruno Soares, Liliane Basso e Juliana Silva, em reunião do Visionários da Cidade (Divulgação).

EXPECTATIVAS E AÇÕES
Liliane – “Tanto o site quanto o APP têm como foco facilitadores que conduzam junto com o grupo de jovens a criação de novos projetos sociais. Ao longo da criação do programa Visionários da Cidade nos demos conta da importância de viabilizar uma troca de informações constante entre os diferentes facilitadores que pudessem estar vivendo o programa, independentemente de estarem na mesma cidade ou não.
O APP ajuda o facilitador a organizar cada etapa do seu programa, compartilhar a execução de atividades e de fotos, sugerir melhorias e até pedir opinião para outros facilitadores. O programa como um todo orienta o facilitador a perceber, acima de tudo, quais são as expectativas de cada um dos jovens participantes e a melhor alternativa para dar conta disso. Nós nos preocupamos muito em manter apenas atividades que fizessem sentido para esse perfil de jovens.”

ATIVIDADES DISPONÍVEIS
Liliane – “No site é possível acessar quatro processos propostos: livre, processo curto, processo rápido e processo completo. A escolha por um desses processos é balizada pelo tempo e pelo perfil das pessoas que compõem o grupo de jovens visionários. No site, é possível ainda acessar e baixar todas as 28 atividades propostas. Depois de fazer isso, é possível acessar o APP e abastecê-lo com o seu processo escolhido e com as atividades dentro dele, compartilhar como está sendo cada encontro, verificar o que outros facilitadores estão fazendo, manter um diálogo aberto entre os integrantes do seu grupo etc.”

EXPOENTE ZERO: “LIGAÇÃO CIDADÔ
Bruno – “Expoente Zero é uma plataforma audiovisual que serve como uma vitrine gratuita de cultura e solidariedade. Os participantes fazem vídeos e fotos que depois são postados nas redes sociais, para que as pessoas se vejam e se reconheçam, valorizadas por elas mesmas e por outras pessoas de outros lugares da cidade, fazendo assim uma ligação cidadã. Hoje, nosso principal problema é termos máquinas que suportem todo o material coletado nos encontros, plataformas de edição, para poder tornar tudo isso mais atrativo. Estamos em fase inicial, mas em processo de evolução e expansão dos nossos horizontes.”

NOVOS OLHARES
Bruno – “O projeto só foi possível por causa do Visionários da Cidade. Todos os jovens que fazem parte do Expoente Zero querem algo para mudar a sua perspectiva em relação à forma em que a sociedade entende o que é uma favela e como a vida funciona na favela. É uma visão muito viciada e que não condiz com a realidade. Através do Visionários começaram a surgir ideias, pudemos olhar para o problema e para a solução de uma forma que talvez nunca tivéssemos olhado. Queremos solucionar nossas questões através de métodos como dinâmicas e tarefas que nos motivam por serem uma espécie de desafio para o grupo. A ferramenta trouxe uma ideia de construção e fortalecimento da ideia bem antes de começar a prática. Isso torna o projeto mais seguro tanto para quem cria e executa como para quem é atingido pela proposta.”